domingo, 23 de dezembro de 2012

Crítica do filme: 'As Aventuras de Pi'


A fé pode mover muito mais que montanhas. O aguardado novo trabalho de Ang Lee (O Segredo de Brokeback Moutain) é visualmente magnífico, tecnicamente perto da perfeição e seu enredo é envolvente chegando a emocionar nos momentos chaves, estamos falando do drama, As Aventuras de Pi. Falando sobre fé e recheado de personagens cativantes, o longa-metragem vai agradar a todos os tipos de público. O que, a princípio você possa achar que é um filme para criança, pode ter certeza, caro cinéfilo, que a fita passa longe de ser uma produção voltada ao público infantil.

Na trama, conhecemos o jovem Piscine que carinhosamente (e forçadamente, pelo mesmo) é chamado de Pi por todos ao redor. Uma lenda das aulas de matemática, o jovem indiano é pego pela curiosidade e se descobre praticante de três religiões, fato que o ajuda na maior aventura da sua vida: quando seus pais resolvem mudar de país (por conta de problemas político-financeiros da região), o adolescente precisa abandonar seu grande amor e se distanciar de seus poucos amigos rumo à uma terra nova e cheia de oportunidades. Seus pais possuem um zoológico e resolvem levar todos os animais juntos na viagem. Acontece que perto de chegar ao destino, acontece uma tragédia e Pi se vê em meio ao oceano com uma zebra, um macaco, uma hiena e um irritado tigre de bengala. Com poucos recursos, usando toda sua inteligente e colocando em xeque sua fé, Piscine precisa enfrentar o grande desafio de sua vida e lutar pela sobrevivência.

O fator fé é preponderante e muito bem abordado pela adaptação que fora feita. Há um certo conflito no personagem, desde que se descobriu adepto de 3 religiões completamente diferentes. Sua família em alguns momentos chega a brincar com esse fato mas Pi está convicto e se sente muito bem exercendo sua fé, das três maneiras. Tudo isso é colocado em prova em uma situação inusitada e totalmente arriscada. Talvez uma pessoa sem fé nem acreditaria no inacreditável.

Por mais que tenha uma classificação etária baixa, As Aventuras de Pi não é um filme infantil. A maturidade com que fora abordado os temas colocam os personagens em conflito constante o que torna bastante complexo todo o clímax. A direção de Ang Lee é cirúrgica, seja com imagens ricas ou diálogos filmados de maneira envolventes que conseguem levar o espectador para dentro da história.

Provável concorrente ao Oscar, esse filme é um dos grandes trabalhos feitos esse ano no mundo do cinema. Não deixem de conferir! Acredite sempre no inacreditável!

2 Postagens cinéfilas:

J. BRUNO disse...

Li uma entrevista do Ang Lee na qual ela fala do desfia que foi realizar este filme, ele não escondeu sua falta de jeito com a tecnologia, mas o que ficou evidente foi sua disposição em lutar contra todas suas limitações. De certa forma ele parece ter um pouco da fé que, como você disse, o personagem demonstra na trama! Ótimo texto meu amigo!

Jc disse...

Sábado passado 29/12 tive a chance de ver o filme e achei um saco, quase fui embora no início porém de teimoso fiquei até o final achando que algum momento o filme teria uma reviravolta.

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging