sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Crítica do filme: 'Passageiros' (2016)

O ego é dotado de um poder, de uma força criativa, conquista tardia da humanidade, a que chamamos vontade. Até que ponto a tecnologia irá se sobrepor nas decisões dos seres humanos num futuro bem próximo? Dirigido pelo bom cineasta norueguês Morten Tyldum (do excelente Headhunters), um dos primeiros blokbusters de 2017 a chegar no circuito brasileiro de exibição, Passageiros, é uma fábula sobre as fragilidades do egoísmo aliada à um poder tecnológico bastante imaginável nos tempos atuais. O roteiro, escrito pelo nova iorquino Jon Spaihts (que fez parte da equipe de roteirista de Doutor Estranho e Prometheus) possui seus méritos apesar de não envolver o público com a trama como poderia. Além de preso a clichês hollywoodianos a história beira ao óbvio com protagonistas pouco inspirados. Um fato curioso é que Andy Garcia parece 10 segundos na fita, já no fim. Será que terá uma sequência já planejada? Bastante arrojado por parte dos produtores.

Muitos e muitos anos a frente de nossa geração humana, uma incrível nave espacial faz um longo caminho pelo universo levando cerca de 5.000 tripulantes para uma nova colônia, um planeta distante bastante parecido com a nossa Terra. Nessa peculiar invenção tecnológica voadora todos os seres humanos estão dormindo em câmeras projetadas para acordarem seus respectivos quando faltaram quatro meses para a chegada nesse novo planeta. Porém, durante o trajeto, cerca de 30 anos após o início da jornada, um imprevisível acidente acaba acordando um dos passageiros, o engenheiro mecânico Jim Preston (Chris Pratt) que acordara cerca de 90 anos antes do previsto. Após passar um ano aproveitando todas as regalias da nave parque de diversões que está ele começa a se sentir muito sozinho e com medo de morrer sem nunca mais ter uma interação com outro humano. Assim, resolve acordar uma passageira, a escritora Aurora Lane (Jennifer Lawrence) para lhe fazer companhia. Logo surge uma paixonite entre eles mas segredos precisam ser revelados quase ao mesmo tempo que a nave em que estão precisa ser consertada com urgência.

Quando você pensa, ao final do filme, em tudo que foi esse projeto, fica um sentimento de que a ideia era excelente mas foi mal executada e principalmente se prendeu a vícios hollywoodianos, algo cansativo em vez de dar o efeito esperado ou simplesmente repetitivo (conhecido também como clichê). Chris Pratt, um dos protagonistas, tenta envolver o espectador com todo seu carisma, já visto em outros gigantescos lançamentos nos últimos anos, mas acaba se perdendo em cena. Quando chega Jennifer Lawrence e sua forte personagem, o filme parece que vai crescer mas apenas algumas pontas de brilhantismo conseguimos enxergar nessa fórmula de bolo sem cereja.

Os rápidos momentos de brilho chegam em diálogos entre Jim e o robô garçom Arthur (interpretado pelo sempre excelente Michael Sheen). Esse último mostra um certo lado humano dentro da inteligência artificial implementada um processo cênico bem interessante. As questões vitais emocionais/existenciais fruto dos pensamentos a longo prazo dos dois pombinhos protagonistas tem partes interessantes, juntamente com o desfecho dessa história.


Passageiros estreia por aqui no Brasil nas primeiras semanas de janeiro de 2017. Mesmo sendo um filme muito longe da perfeição , você que curte filmes de ficção científica pode até achar mais pontos positivos do que esse mero cinéfilo que vos escreve. 

20 Postagens cinéfilas:

Lia Carvalho disse...

Eu gostei da Crítica e concordo plenamente! Achei o filme com uma ideia excelente, mas o final deixa muito a desejar. A sensação é q o filme não terminou! Ou o autor do projeto se deu bem durante o tempo todo, mas quando chegou ao fim, não tinha mais tempo pra terminar o trabalho, escreveu a primeira coisa e mais obvia q lhe veio a cabeça e entregou ao professor pra não perder os pontos! Mesmo assim, é um excelente filme!

Unknown disse...

Um dos piores lançamentos do ano. Um clichê(romântico) travestido de ficção científica, que utiliza 2 excelentes atores pra mascarar um roteiro pífio e sem sal. Resumo: decepcionante.

Lorena disse...

O final do filme foi frustrante, afinal ela, Aurora, foi realmente hibernar na enfermaria e Jim ficou pra morrer, ou os dois morreram juntos ?!?Fiquei decepcionada

Unknown disse...

Achei a história interessante, diferente das sci-fi que sempre vimos, nada tão inovador quanto " A chegada" mas tem um tom novo, Aurora de fato mida o ritmo do filme, em momento algum houve suspense quanto ao segredo ser revelado. Era algo certo a dúvida talvez fosse quando aconteceria. A Química entre eles existe de fato e o que me deixou intrigado foi que evoluiu nos últimos minutos do filme uma história a ser desenvolvida e que se alguns pontos fossem diminuídos teríamos dois pares de dezenas de minutos para finalizar a história sem deixar esse gancho para uma continuação. O que acho no fim de tudo é que vimos um novo Adão e uma nova Eva diante da gênese da humanidade em seu novo lar. Tem até um toque de arca de Noé.
A frase do fim dá uma ideia de fazer o melhor que se pode com o q se tem.
"Não perca tempo tentando estar onde deveria estar, aproveite onde de fato está" - ou algo próximo a isso!

Everson Sercundes disse...

Achei a história interessante, diferente das sci-fi que sempre vimos, nada tão inovador quanto " A chegada" mas tem um tom novo, Aurora de fato mida o ritmo do filme, em momento algum houve suspense quanto ao segredo ser revelado. Era algo certo a dúvida talvez fosse quando aconteceria. A Química entre eles existe de fato e o que me deixou intrigado foi que evoluiu nos últimos minutos do filme uma história a ser desenvolvida e que se alguns pontos fossem diminuídos teríamos dois pares de dezenas de minutos para finalizar a história sem deixar esse gancho para uma continuação. O que acho no fim de tudo é que vimos um novo Adão e uma nova Eva diante da gênese da humanidade em seu novo lar. Tem até um toque de arca de Noé.
A frase do fim dá uma ideia de fazer o melhor que se pode com o q se tem.
"Não perca tempo tentando estar onde deveria estar, aproveite onde de fato está" - ou algo próximo a isso!

Nubia Vilela disse...

Concordo que o filme foi uma merda mais foi um pouquinho de falta de atenção da sua parte ao final. Eles viveram juntos até o fim de suas vidas,isto ficou claro ao final do filme.

kriptus disse...

fui assistir e o filme é decepcionante,o filme acabou se tornando um filme de romance ,gosto de ficção científica e o diretor poderia focalizar mais na questão científica mas se o diretor escolheu fazer um filme de romance aí tudo bem!tive a sensação que não era um filme de ficção científica,tirando os efeitos especiais não sobra nada!

kriptus disse...

fui assistir e o filme é decepcionante,o filme acabou se tornando um filme de romance ,gosto de ficção científica e o diretor poderia focalizar mais na questão científica mas se o diretor escolheu fazer um filme de romance aí tudo bem!tive a sensação que não era um filme de ficção científica,tirando os efeitos especiais não sobra nada!

kriptus disse...

filme pra quem quer um filme de romance,tirando os efeitos especiais que são bons,não sobra mais nada!decepcionante!

kriptus disse...

filme pra quem quer um filme de romance,tirando os efeitos especiais que são bons,não sobra mais nada!decepcionante!

Marco Dio disse...

Filme é excelente, muito melhor que esses da marvel, o final é claro, vale a pena assistir.

André Luis disse...

Gostei do filme. Sugiro, para quem for assistir, ligue o botãozinho "Suspensão de Descrença" (Pesquise o termo no Google). Criticar o filme, o enredo, por algo não se encaixar na realidade é uma das críticas mais vazias que existe.

Mateus de Jesus disse...

Andre Luis. o filme nao se encaixa na realidade, pois a historia se passa em uma geracao mais avancada do que a nossa.

Unknown disse...

O filme é muito bom,eu gosto de filme de ficção científica e de romance, como misturaram eu gostei,mais pra quem não gosta dessa mistura provavelmente odiou o filme. O final foi decepcionante mas já era o que eu esperava o fato mais óbvio, que os dois morreriam juntos antes de todos acordarem...
(Se bem que poderiam se enfiar de conchinha na cabine pra hibernarem juntos hahah)

Betys Cunha disse...

Eu vou ser um dos poucos aqui, q vai contra a mare, n tive a oportunidade e ir ao cinema como muitos aqui, mas achei o filme sensacional, uma prova de como o universo consipar a nosso favor, logo no primeiros eventos da trama, a nave, passar por uma turbulencia, ao passar por aterodes, q acaba deixando algumas avaria, e em todo mlmento o computador da nave, diz q impossivel um capsula de hibernarçao da defeito, mas so do cris deu defeito ( isso pq meus caros, a nave tinha o historico de todos passageiros,) e ela sabia q ele seria nesseçario, para fazer os reparos nessessarios na nave pra salvar todos q continuavam em sono profundo, e a brilhante ideia de ele se apaixonar pelo personagem da escritora, Jhenffer foi justamente pq era seria contar tudo o q aconteceu naquele periodo enquanto o resto dos passageiros estavam em sono profundo) q foi nesseçario para ajudar-lo, a puxa a lavanca na sala do euxastor de particula, q era o motor da nave enquanto ele, abrisse a escotialha pelo o lado de fora, em tao tudo foi o universo conspirando para aqueles passageiros daquela nave chegasse ao seu destino, eu achei brilhante, eu seria mas ousado talvez no final ( colocaria um casal de filhos deles,narcido no espaço, kkk seriam os primeiros espacianos! Pra quandos os resto da passageiros acadarem) mas gostei do final do filme pra qm n gostou so lamento!!?!

Betys Cunha disse...

Eu vou ser um dos poucos aqui, q vai contra a mare, n tive a oportunidade e ir ao cinema como muitos aqui, mas achei o filme sensacional, uma prova de como o universo consipar a nosso favor, logo no primeiros eventos da trama, a nave, passar por uma turbulencia, ao passar por aterodes, q acaba deixando algumas avaria, e em todo mlmento o computador da nave, diz q impossivel um capsula de hibernarçao da defeito, mas so do cris deu defeito ( isso pq meus caros, a nave tinha o historico de todos passageiros,) e ela sabia q ele seria nesseçario, para fazer os reparos nessessarios na nave pra salvar todos q continuavam em sono profundo, e a brilhante ideia de ele se apaixonar pelo personagem da escritora, Jhenffer foi justamente pq era seria contar tudo o q aconteceu naquele periodo enquanto o resto dos passageiros estavam em sono profundo) q foi nesseçario para ajudar-lo, a puxa a lavanca na sala do euxastor de particula, q era o motor da nave enquanto ele, abrisse a escotialha pelo o lado de fora, em tao tudo foi o universo conspirando para aqueles passageiros daquela nave chegasse ao seu destino, eu achei brilhante, eu seria mas ousado talvez no final ( colocaria um casal de filhos deles,narcido no espaço, kkk seriam os primeiros espacianos! Pra quandos os resto da passageiros acadarem) mas gostei do final do filme pra qm n gostou so lamento!!?!

skox disse...

Betys Cunha, vai ser spoilerista assim no fundo do universo, crlho ... E por favor, aprenda a escrever direito, porra !!!!

Unknown disse...

Levando em conta q eles tivessem entre 25 e 30 anos e ja tinha se passado de 2 a 3 anos e o resto acordou 88 anos apos aqueles fatos entao ele talvez tiveram filhos q podiam ja estar mortos tbm afinal 88 anos nn eh qualquer um q chega... E seria estranho ter alguem ainda la jovem sendo q seriam dois irmaos seria incesto kk mas gostei da sua analogia

José Machado disse...

Segundo a Teoria da Relatividade de Einstein o tempo no espaço, viajando a velocidade da luz, não se passa como na Terra. Assim, 80 anos terrestres no espaço significariam alguns meses.
Nesta linha, os personagens poderiam ter chegado vivos ao fim da viagem, quando todos os demais acordassem.

Jeferson Batista disse...

José machado gostei muito da teoria, seria muito bom essa idéia comparecer no próximo filme

Postar um comentário

 
Copyright © Guia do Cinéfilo | Theme by BloggerThemes & simplywp | Sponsored by BB Blogging