segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Crítica do filme: 'Animais Noturnos'

Quase sempre é preciso um golpe de loucura para se construir um destino. Dirigido pelo cineasta Tom Ford, em apenas seu segundo filme na carreira (o primeiro foi o ótimo A Single Man), Animais Noturnos é uma série de insanidades intelectuais que fala basicamente sobre o descontrole emocional, rica em detalhes estéticos que dão um verdadeiro nó na mente do espectador. É preciso muita atenção para entender alguma mensagem que o filme queira transmitir. Indicado a três categorias no Globo de Ouro desse ano, o projeto conta com uma atuação inspirada de Aaron Taylor-Johnson.

Na trama, conhecemos a desiludida Susan (Amy Adams), uma rica e chique Srta. Que trabalha em uma prestigiada galeria de arte. Casada com o milionário Hutton (Armie Hammer), que passa por problemas financeiros, a protagonista é uma alma triste que escolheu tempos atrás ter estabilidade do que acreditar no sonho de seu ex-marido, o escritor Edward (Jake Gyllenhaal). Certo dia, Susan recebe em sua casa um esboço do novo livro do ex-marido e acaba embarcando na aterrorizante história que acaba mudando suas escolhas de alguma forma.

Tudo é muito difícil de se entender nesse filme, por isso, paciência e atenção. Orçado em 20 Milhões de dólares, Animais Noturnos fala em sua maior parte do tempo do descontrole emocional e as dúvidas nas escolhas que traçam as principais direções de vida dos personagens. Reclusa em seus pensamentos a maioria do tempo, abalada emocionalmente, tendo noites sem dormir, Susan é uma personagem intrigante e que vai mudando de personalidade conforme vai avançando nas páginas de leitura intensa do livro do ex-marido. Essa transformação acaba mudando não só sua maneira de ver as coisas mas a de todos ao seu redor.


O paralelo, talvez o pulo do gato que Tom Ford queira expor mas que se dificulta o entendimento por conta da narrativa extremamente peculiar, é a associação da história lida por Susan (e mostrado paralelamente à rotina da protagonista) com sua própria vida. E nessa junção, a interseção é somente uma: a vingança. Correndo em longas distâncias, os paralelos seguem rumo a um desfecho que motiva o espectador a assistir até o final (prende a atenção) por mais que o resultado não seja tão satisfatório.

Nenhum comentário:

Postar um comentário