domingo, 4 de junho de 2017

Crítica do filme: 'Vida'

Claramente inspirado no clássico Alien, Vida, recentemente lançado no circuito brasileiro (onde ficou pouco tempo em cartaz) é uma ficção científica de qualidade transformando uma simples missão espacial em uma mescla de luta pela sobrevivência em paralelo ao senso comum de defesa do planeta. Estimado em 58 Milhões de Dólares, dirigido pelo cineasta sueco Daniel Espinosa (Protegendo o Inimigo) e escrito pelos mesmos roteiristas da sensação de bilheteria do ano passado Deadpool, Paul Wernick e Rhett Reese, o blockbuster apresenta mais lacunas preenchidas sobre sua trama do que a história inesquecível de Ridley Scott. 

Na trama, conhecemos seis astronautas, muitos deles cientistas, que por conta da curiosidade norte americana em continuar explorando o espaço e seus mistérios, são designados para uma missão complexa e cheio de protocolos onde precisam descobrir se realmente há vida inteligente em Marte. Assim, um organismo é encontrado, na verdade coletado, e levado para dentro da estação espacial onde estão para melhor ser analisado. Após dias de comemoração pelas primeiras promissoras descobertas, a instabilidade e o desconhecimento, aliados a impressionante evolução da mostra marciana encontrada, transformam a missão em uma luta pela sobrevivência e escolhas difíceis precisarão ser tomadas.

Como toda conquista norte americana, Nasa principalmente envolvida, os louros e as comemorações chegam logo ao povo americano, tanto que no filme, o nome do organismo ganha o nome de Calvin, em homenagem a uma escola que concorreu com outras dezenas para conquistar esse direito de escolher o nome da espécie que eles mesmo não sabiam direito o que seria e como poderia evoluir. Não chega como uma crítica já que o assunto é abordado de maneira rápida pois o foco do longa fica mesmo no desenrolar da descoberta dos cientistas astronautas, do que o organismo em questão é capaz.

O clima de tensão é grande durante todo o filme. Quando os astronautas perdem o contato com o centro de controle espacial na Terra, os ânimos variam, e decisões precisarão ser tomadas em grande equilíbrio, principalmente pelo fato/risco do organismo marciano conseguir sobreviver e chegar de alguma forma na atmosfera do nosso planeta. Sem pouco conhecer sobre o organismo, um gigantesco quebra cabeça de hipóteses é pensado e o comando da missão vai caindo de colo em colo conforme os acontecimentos. O filme em certo ponto vira um grande jogo de rpg onde temos que torcer pelo personagem que mais achamos qualificado para resolver as complexas dificuldades que são apresentadas muito pela consequência da mutação do organismo encontrado.

Não devemos pensar que Life, no original, é uma cópia de Alien, por mais que existam semelhanças. É um filme bom para quem curte tramas do gênero e com um final que deixa a todos de boca aberta.


Nenhum comentário:

Postar um comentário